Agradecimento


Caros associados (as) pilotos e amigos, (as) Dirijo-me pela última vez na qualidade de presidente da direcção. Nestes momentos, é costume aproveitarmos para agradecer. Eu não fujo à regra. Quero aqui de forma muito sentida, agradecer a todos aqueles que ao longo destes dez anos fizeram parte da equipa a que pertenci. Quero em primeiro lugar agradecer a um elemento da minha primeira direcção, que infelizmente já não está entre nós, e que sempre foi um defensor na nossa equipa e da Associação de Karting da Madeira, refiro-me ao meu AMIGO, CRISTIANO SOUSA. Um agradecimento muito especial ao meu vice-presidente, Estevão Lúcio, ao meu vogal, João Abreu e ao meu tesoureiro, Henrique Freitas e aos meus Amigos Jaime Câmara e Ivo Caires. Foi um prazer e um gosto trabalhar convosco., trilhar caminhos de muitas adversidades, mas conseguirmos (achamos nós) atingir os destinos a que nos propusemos e que nos eram exigidos. Um abraço ao meu presidente da mesa da assembleia geral, ao longo destes dez anos, o Ricardo Sousa, sempre disponível e com uma devoção notável à associação de karting da Madeira. Outro agradecimento muito sentido ao “meu” pessoal, Rui Crawford, António Freitas, Manuel Barros, Ricardo Gonçalves, sempre disponíveis e incansáveis em prol da defesa e dos interesses da Associação de Karting da Madeira. A todos aqueles que colaboraram nas provas, um forte agradecimento, a quem eu aqui faço-os representar na pessoa do meu Amigo, Fernando Menezes, sem esquecer a amizade, o gosto pela Madeira e a competência do comissário técnico que nos acompanhou nestes dez anos, o Armindo Braga. Aos sócios (pais e mães- felizmente conseguimos que cada vez mais as mães estivessem presentes e creio que conseguimos fazer do karting uma festa da família) que ao longo destes anos, por vezes com dificuldades e privando-se até doutros prazeres, tudo fizeram para terem os vossos filhos no karting, a todos vós o meu muito obrigado. Aos pilotos, que eu vi crescer, desde a tenra idade dos 5 anos (não é verdade António Santos ? ), até alguns já pais, vê-los transformarem-se em homens e mulheres já formados, foi uma alegria privar convosco e com cada um, em muitas ocasiões, conseguir transmitir e receber uma palavra de conforto nas adversidades, e de felicitações, nas horas da alegria. Não posso esquecer aqueles que passaram por situações difíceis em termos de saúde e que conseguiram superar e vencer essas provas ( a quem procuramos sempre transmitir a nossa amizade e solidariedade). Nestes momentos de agradecimento, é sempre difícil lembrar todos, ou por distração ou falha de memória (já não é o que era), mas são tantas as pessoas a quem gostava de agradecer, que esse medo de esquecer alguém, leva-me a evitar nomeá-los a um a um, contudo quero deixar a todos, sem excepção, uma palavra de apreço e de agradecimento, mesmo aqueles com quem não compartilhei das mesmas ideias, mas que de todos, mesmo desses, retirei ensinamentos e que me permitiram de forma mais clara, conseguir distinguir o bom e o menos bom, mas ao mesmo tempo acreditar que, vale sempre a pena (mesmo quando parece que já não há nada a fazer). Nota, para outro agradecimento, à comunicação social, sempre importante na divulgação da modalidade e da nossa actividade, que aqui, com respeito por todos, coloco na pessoa do Paulo Almada, o meu muito obrigado. Não vou aqui justificar nada do que fizemos (Lá diz o ditado, nunca te justifiques, os inimigos nunca acreditam e os amigos não precisam), apenas dizer que tudo o que fizemos, foi com convicção e acreditando que fazíamos o melhor pela Associação de Karting da Madeira e pelo karting madeirense. Felizmente foram muitos os momentos felizes ao longo destes dez anos, dos quais, escolheria para representá-los, a primeira edição da Taça da Madeira (competição lançada pela minha direcção e que se revelou como a verdadeira festa do karting madeirense – com boa repercussão nacional e até internacional e que teve no Carlos Mata um apoiante – aliás, pessoa que, por tudo o que já fez, ainda não teve a merecida homenagem do karting madeirense), uma verdadeira festa em que congregamos, com sucesso (modéstia à parte), a parte social (os convívios, a festa do pódio), com a parte desportiva. Como em tudo na vida, também vivemos momentos tristes, que aqui, não quero lembrar, mas que também não vou esquecer, mas que guardo para mim. Foram cerca de sessenta provas organizadas (o meu Amigo Estevão é que fazia essa contabilidade), de todas elas recordo os momentos bons e os menos bons, em que, curiosamente, a alegria que eu sentia ao ver o abraço do pai e do assistente ao filho/piloto pelas excelentes prestações/resultados, nunca conseguia superar a emoção que tomava conta de mim cada vez que via um piloto que chegava ao parque de chegadas, depois dum mau resultado ou de um incidente em pista, com uma lágrima no canto do olho (por vezes até ambos os olhos encharcados), à procura dum abraço e duma palavra de conforto. Quero também agradecer a todos os que nos ajudaram, para transformar o kartódromo do Faial, num espaço mais bonito, mais seguro, dotado de melhores condições para a prática da modalidade e de conforto para os seus utentes. Aqui destacava o Miguel Viveiros e o João Abreu. Meus AMIGOS que responderam sempre positivamente nas inúmeras vezes que a eles recorri. Uma palavra de agradecimento a um homem da casa, amante do desporto automóvel e amigo da AKM, o Rui Abreu, um Amigo que, de forma sempre discreta, sempre esteve disponível e ajudou a Associação. Em tempos difíceis, dotamos a Associação de Karting da Madeira de condições aceitáveis, uma recepção condigna, instalações mais confortáveis, construção de boxes, condições da pista (muitos metros de correctores e asfalto), temos uma frota de karts de competição, motores para a competição, uma frota de karts e uma escola de formação – Kartilha - recuperada há dez anos, com uma preciosa colaboração da Liliana (obrigado) e mais recentemente do Élvio Jesus (obrigado). Não posso esquecer o esforço levado a efeito por forma a tornar o karting acessível a todos e a criação, via regulamentar de regras que se traduziram numa redução de custos e aumento da competitividade, e bem assim, nalgumas inovações em termos técnico/regulamentares que, inclusive, viriam posteriormente a ser adoptadas a nível nacional e internacional. Outro agradecimento muito especial, à Câmara Municipal de Santana e à Câmara Municipal de Machico. Agradecimento extensível a outras instituições públicas, bem assim à FPAK ( excelente relação e apoio por parte dos três presidentes com quem trabalhamos – Pinto Freitas, Manuel Mello Breyner e Ni Amorim) e à Direcção Regional do Desporto. Para terminar uma palavra aos novos órgãos sociais que serão eleitos no próximo dia seis, não para dar conselhos (mesmo que eu fosse capaz, lá diz o ditado, se fossem bons, não se davam, vendiam-se), mas sim de esperança. Esperança que possam recolher algo daquilo que de positivo possamos ter feito nestes anos (falo da minha e das anteriores direcções) e esperança que consigam resistir ao populismo e à demagogia e com trabalho e humildade, possam manter os ideais e a autonomia da nossa Associação. 

Para os que iam às nossas festas, termino como na nossa música: 

A minha pista é o faial
 Dela sempre vou gostar .... .... 


 Até um dia, 

Para sempre ao dispor da AKM 


Artur Baptista 

07 outubro 2020